Skip BreadcrumbHome / Fundação / Eventos

Eventos 

O acesso à Cultura é uma das prioridades da Fundação, pelo que apoia e desenvolve diversas iniciativas neste âmbito.

Destaques:

Em Castelo Branco

Pintura Modernista na Coleção Millennium bcp

Pintura Modernista na Coleção Millennium bcp

"Esta exposição apresenta uma seleção das obras da Coleção Millennium bcp cujos autores iniciaram as suas carreiras nas primeiras três décadas do século XX. Para a história da arte, são artistas modernistas que questionaram os processos da pintura naturalista, empenhada na verosimilhança entre o visto e o representado. Os modernistas, pelo contrário, não acreditam nessa naturalidade do ver: pretendem que o espetador não confunda a realidade com a pintura e sugerem que esta pode enriquecer aquela, através da imaginação plástica.
Na maioria dos casos, as obras expostas confirmam o que a história da arte foi elaborando, mas, noutros, a surpresa pode emergir. Este é o desafio que a exposição propõe, quer aos especialistas, quer os visitantes interessados: que cada um indague e encontre afinidades emotivas e estéticas que confirmem (ou perturbem) o que antes sabia ou amava."

Raquel Henriques da Silva
Curadora da Exposição

 

Exposição composta por 60 obras de 15 artistas modernistas portugueses: António Carneiro; Amadeo de Souza-Cardoso; Eduardo Viana; José de Almada Negreiros; Francis Smith; António Soares; Mily Possoz; Jorge Barradas; Bernardo Marques; Mário Eloy; Júlio Reis Pereira; José Dominguez Alvarez; Carlos Botelho; Dordio Gomes; Carlos Carneiro.

Centro de Cultura Contemporânea de Castelo Branco
Campo Mártires da Pátria; S/N (Devesa)
6000-097 Castelo Branco
13 Nov  2015 > 10 Abr 2016
Entrada gratuita
Ter > Dom 10h > 13h/14 >18h
Encerra segundas-feiras

 

Em Lisboa

Esconjurações na Coleção Millennium bcp e noutras obras de José de Guimarães

Esconjurações na Coleção Millennium bcp e noutras obras de José de Guimarães

Esconjurações reúne um significativo núcleo de obras de José de Guimarães pertencentes à coleção Millennium bcp, realizadas em suportes muito distintos, em particular um raro e surpreendente conjunto de tapeçarias de Portalegre de grandes dimensões que, pela primeira vez, podem ser vistas pelo público em geral.

São ainda mostradas obras de luz, com néon e LED, de vários períodos do percurso do autor; caixas-relicário que dialogam com peças da coleção de arte africana que vem reunindo desde há décadas e, ainda, esculturas de grandes dimensões que dão corpo ao perturbante sincretismo prosseguido, desde os anos 1960, por José de Guimarães.

Galeria Millennium
27.01.2016 a 21.05.2016
Rua Augusta, 96
Seg - Sáb 10h - 18h
Encerra domingos e feriados
Entrada livre

 

Obras da Coleção Millennium bcp - JÚLIO POMAR

As coleções do MNAC. 1850-1975

Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado

As coleções permanentes do Museu Nacional de Arte Contemporânea documentam a
produção artística em Portugal entre 1850 e a atualidade, sendo o mais importante
acervo no que diz respeito à Arte Moderna e Contemporânea pertencente ao Estado
. (…)

Paulo Henriques, Diretor


De 21.02.2013 - 31.12.2015
3ª a domingo
10h00-18h00
Rua Serpa Pinto, 4
1200-444 Lisboa
Tel. 213 432 148
http://www.museuartecontemporanea.pt

 

 

Em Cascais

Pintura Naturalista na Coleção Millennium bcp

Pintura Naturalista na Coleção Millennium bcp

A Fundação Millennium BCP, no âmbito do seu projeto de exposições itinerantes Arte Partilhada Millennium bcp, iniciado em 2009 e que conta já com mais de 20 exposições realizadas em vários pontos do país, traz agora a público, em Viseu, uma exposição de pintura naturalista que percorre mais de um século de produção artística. As obras em exibição fazem parte do acervo artístico do Banco que, através desta iniciativa, se propõe partilhar com todos o melhor da sua coleção privada.

O Naturalismo foi um dos mais importantes ciclos de pintura do final do século XIX e das primeiras décadas do século XX. Os seus fundadores, a partir de 1870, estudaram quase todos em Paris, depois de terem completado os cursos das Academias de Belas-Artes, no Porto e em Lisboa. Naquela cidade, frequentavam a École de Beaux-Arts mas do que mais gostavam era sair de comboio, em direcção à pequena aldeia de Barbizon, juntando-se a dezenas de pintores vindos de todos os países da Europa e das Américas. Queriam pintar a natureza, na imensa variabilidade da luz natural que alterava as cores das coisas e da atmosfera, ao longo do dia e nas sucessivas estações do ano. Para isso, usavam meios tecnológicos que eram absolutas novidades: além do comboio, a bicicleta para se deslocarem na floresta e ao longo dos rios, e, sobretudo, os tubos de tinta a óleo que os libertavam do processo anterior de fabrico manual.

 

De 24 de abril a 20 de setembro 2015
Museu Condes de Castro Guimarães
Avenida Rei Humberto II de Itália, Parque Marechal Carmona
2750-319 Cascais

De 3ª a 6ª feira das 10h00 às 17h00
Sábado e domingo das 10h às 13h00 e das 14h às 17h00
Encerra à 2ª feira e feriados

Entrada gratuita