Skip BreadcrumbHome / Fundação / Eventos



Eventos


O acesso à Cultura é uma das prioridades da Fundação, pelo que apoia e desenvolve diversas iniciativas neste âmbito.


Exposição Poesia Mineral

A exposição "Poesia Mineral" esteve patente na Galeria Millennium, em Lisboa, entre 23 de fevereiro e 19 de maio de 2018.

A propósito da edição do livro Guia de Arquitetura Eduardo Souto de Moura Projetos Construídos em Portugal a editora A+A Books convidou o artista e fotógrafo Nuno Cera a "viajar" por Portugal Continental e Insular retratando os projetos que constam da publicação, e que de uma forma hors-texte evocam em fragmentos o traço e a linguagem do arquiteto.

Composta por 18 fotografias e 2 vídeos o layout da exposição, pensado pelo artista Nuno Cera, apresentou e contextualizou a quem a "viu" fragmentos intencionalmente preferidos da obra do Arquiteto Eduardo Souto de Moura.

Poesia Mineral ultrapassou os limites de uma exposição de fotografia. Ela revelou o que o olhar de Nuno Cera construiu: um ensaio livre sobre a grandeza da arquitetura de Eduardo Souto de Moura compreendendo o seu poder através da delicadeza poética que como artista tanto o distingue.






A Partir do Surrealismo

A exposição "A Partir do Surrealismo" esteve patente na Galeria Millennium no âmbito das iniciativas Arte Partilhada da Coleção Millennium bcp. Dentro em breve estará patente no Museu de Faro, com nova curadoria. Fique atento a mais informações.


A PARTIR DO SURREALISMO é uma mostra coletiva de oito artistas da Coleção Millennium bcp: visa divulgar esta importante Coleção e, simultaneamente, valorizar a arte portuguesa contemporânea. Os artistas presentes – Cruzeiro Seixas, Mário Cesariny, António Dacosta, Carlos Calvet, Vespeira, Eduardo Luiz, Paula Rego e Graça Morais – têm em comum o gosto pela pintura figurativa contadora de histórias, sugeridas pelos títulos e pelo modo imaginoso como as formas (nem sempre identificáveis) usam a cor e a composição para perturbar o entendimento comum das coisas. Destes artistas, só alguns (Cruzeiro, Cesariny, Calvet, Dacosta) pertenceram aos movimentos surrealistas do meio do século XX mas todos pintam a realidade como se ela tivesse a natureza dos sonhos: confusa, disparatada, surpreendente.